quinta-feira, 31 de julho de 2014

Férias nos Estados Unidos - Parte 01

Estava olhando as fotos de uma amiga e bateu uma saudade incondicional de New York e como faz um tempo que não posto no blog, resolvi unir o útil ao agradável e escrever um pouco sobre a minha viagem aos Estados Unidos, que aconteceu em abril desse ano e também porque estou com muitas saudades daquele lugar.


Desde a minha adolescência sempre tive um sonho de sair do país, como fã da cultura americana – embora isso tenha reduzido um pouco por "ns" motivos – sempre quis ir lá, sempre quis viver aquelas coisas que passava nos seriados e nos filmes da vida, era algo que estava dentro de mim: Preciso conhecer esse lugar, morar lá, passar por cima, fazer alguma coisa, mas nunca tive como fazer isso, até que comecei a trabalhar em uma empresa que me dá essa possibilidade de viajar, então pensei: é agora ou nunca.




Tudo começou em outubro de 2013 quando decidi que iria tirar o passaporte; até então, a ideia era tê-lo e ir à Argentina, mas, conversando com algumas pessoas, visitando algumas agências de viagem e claro, vendo a possibilidade e valores de acomodação (passagem não era a minha principal preocupação, como trabalho em empresa aérea, tenho certas regalias quando esse é o assunto) e vi que não sairia tão caro, decidi que quando tivesse com o documento em mãos, iria para os Estados Unidos! A questão toda era apenas uma: ter o bendito visto. 

Conversando com uma amiga, que mora em New Jersey, comentei se ela não poderia ir até Orlando em abril – mês das férias – ela disse que não e simplesmente lançou a proposta: Já que você quer vim pra cá, porque não vem para minha casa? Na hora, deu um estalo na minha mente, caso fosse para a casa dela, meu problema de acomodação estaria resolvido e ainda passaria dias preciosos ao lado de duas pessoas que adoro! Feito, desisti de Orlando, da Disney e iria para Newark, e claro, 40 minutos de New York. Mas, ainda tinha um pequeno empecilho: o visto. 

Em dezembro, meu passaporte ficou pronto (AMÉM) e nesse meio tempo, eu já tinha várias ideias na minha cabeça, colocando todo o meu planejamento na ponta do lápis, verificando todos os dias as disponibilidades de voos, fazendo orçamento, desfazendo orçamento, fazendo de novo. 

Falei com algumas amigas que já tinham ido, peguei algumas dicas de lugares e até mesmo da viagem em si e principalmente do visto. Sempre fui o tipo de pessoa pessimista e realista, sempre fui muito pé no chão com relação a muita coisa, e sou muito criticada por causa desse comportamento, fico com os dois pés atrás quando o assunto é Ana Caroline irá conseguir alguma coisa. Essa frase para mim era uma piada que sempre fiz comigo. Então, já sabem meu pensamento: mal comecei o processo para obtenção do visto e “sabia” que não teria sorte. 

Mesmo assim, comecei todo o procedimento – depois farei um post aqui no blog explicando todo o processo de solicitação – preenchi formulário, efetuei pagamento, mas não conseguia marcar as datas para as entrevistas, por não conseguir casar os dias das entrevistas com as minhas folgas. 

Meados de fevereiro e eu tinha um plano, mas achava que ele não iria acontecer, tinha quase certeza que iria para a Argentina, tanto que, na época comprei passagens e fiz reserva em hostel. Minhas férias começariam em abril e, por sorte, os dias 2 e 3 de abril estavam em aberto para entrevistas no Consulado Americano em São Paulo, não deu outra! Marquei nessas datas e no dia 01 de abril, eu embarcava para a cidade da garoa em busca do tão sonhado visto. 

Em Sampa, fiquei hospedada na casa de um grande amigo. Esse moço, acompanhou-me em todas as fases do processo, viu-me correr de um lado pro outro, ficar estressada, chorar e tudo mais, não sei se ele sabe o quanto sou grata por toda a ajuda dele, (mas caso você esteja lendo, fique sabendo agora), no outro dia, acordamos cedo e a parte mais interessante, não sabíamos onde ficava o Centro de Atendimento ao Solicitante do visto ou CASV, tivemos que recorrer ao Google Maps e descobri que, dentre muitas coisas que sou péssima, mexer no Google Maps é uma das maiores. Nós nos perdemos umas duas vezes, até ele pegar o celular da minha mão e nos levar ao lugar certo. 

Chegamos ao CASV e eu estava com toda a documentação na pasta, ou achava que estava! Porque justamente na hora de entrar no local, notei que não tinha impresso a DS-160! Que é documento mais importante para a sua solicitação! E eu SIMPLESMENTE esqueci de imprimir! Me xinguei tanto na hora que quase bati a cabeça na parede 100 vezes. Enfim, para minha sorte ou não, tem um pessoal que fica ao lado do prédio fazendo essa impressão, só que eles cobram absurdos R$ 20,00 – alguns cobram até R$ 50,00, caso tenha que modificar alguma coisa - para a impressão do documento! E como a concorrência lá é ferrenha, uma moça me deu a dica de ir até uma gráfica – que eu e Arthur tínhamos ido antes – e imprimir lá que sairia mais barato, corremos lá e saiu R$ 18,00 mais barato!

Finalmente, entrei no CASV e foi muito rápido! Entrei, entreguei documentação, eles me mandaram subir, entrei numa fila, fiquei esperando em um stand lá uns cinco minutos, até que uma moça brasileira me chamou. Sentei, ela colheu minhas digitais e tirou foto, tranquilíssimo! Finalizada essa parte, fui zapear em SP e aí já é outra postagem para o blog. 

O outro dia foi tenso. Marquei a entrevista para às 11 da manhã, às 10:50, não tínhamos chegado ainda, fiquei muito histérica e preocupada. No meio do caminho, pegamos um táxi e chegamos em cima da hora.

Quando decidi tirar o visto, achava que era uma coisa mais “bonitinha”, do tipo: “olha, você marcou as 11h, esteja aqui que você entrará em uma salinha e irá conversar com alguém do consulado, vai ser uma coisa rápida de dez minutos no máximo, ele vai conferir sua documentação e logo você terá a resposta, pronto, acabou”. Ledo engano! Só para entrar para a revista dos guardinhas foram 40 minutos em pé numa fila. 

Eu já estava estressada, porém esperançosa, ainda achava que tinha uma salinha confortável me aguardando lá dentro com ar-condicionado e de preferência com uma xícara de chá. Ledo engando, parte dois. Depois da revista, entrei em um galpão enorme que tinha cerca de 500 pessoas, todas elas em pé numa fila que dava voltas e mais voltas. 

Algumas pessoas tinham pastas enormes e cheias de documentos, euzinha estava com uma pasta fininha com umas três folhas, meu primeiro pensamento foi: é, f*****. 

Como eu já tinha entregado meu passaporte antes de ir para a fila da revista, fiquei esperando eles chamarem para pegar de volta, não demorou mais que dez minutos e então, fui para a fila maior (eu e minha medíocre pastinha), e foram quase três horas e meia até chegar no posto onde fui entrevista; não tinha salinha, não tinha chá, nem biscoitos, nem ar condicionado.


Passado esse tempo, chegou o momento mais esperado, a entrevista. Eu conversei com muita gente sobre como seria a entrevista e todo mundo me disse que era uma coisa muito tranquila, como meu visto é de turista, não fariam nenhuma pergunta em inglês, - meu idioma não é muito confiável – e como trabalho em uma empresa aérea, a coisa seria menos complicada. 

Chegou a minha vez, fui lá pro rapaz. Ele me fez cinco a seis perguntas do tipo: O que você vai fazer lá? “Férias”, “Mas, você vai sozinha?”, “Ninguém tira férias em abril”, “Você trabalha em tal lugar”, “Sim”, “Em que cidade?” “Aracaju”, “Quanto tempo” “01 ano e alguns meses”, “Vocês têm desconto nas passagens” (HÁ, ESPERTINHO) “Temos” “Põe a sua mão esquerda no leitor” “Eu coloco a direita” “Esquerda” “Desculpa” “Seu visto foi aprovado, chega em dez dias a sua casa” “Oi? Como assim, moço? EI, PERA ME EXPLICA ISSO DIREITO? DO QUE VOCÊ TÁ FALANDO” EU TÔ TREMENDO, ROSANA”.

Claro que não disse nada disso, na verdade, sai do galpão sem acreditar em nada daquilo, com um papelzinho com algumas informações, morrendo de fome (meu estomago deu sinal de vida nessa hora), com o sorriso sem graça, com vontade de correr para ninguém me pegar caso tenha sido engano.


Lembrei-me do que uma amiga me disse: Lembre-se dos todos os idiotas que vão todos os anos para os Estados Unidos, Se eles conseguem, por que você não vai conseguir. Enfim, eu tinha um visto, um plano, uma casa para ficar, um sonho a realizar, então eu ia para os Estados Unidos! 

Voltei para casa toda feliz, acabei chegando um dia antes da viagem para à Argentina, só que no dia do meu embarque estourou uma crise enorme naquele país, acabei não embarcando e deixando a passagem em stand by para uma utilização futura. No mesmo dia, abri minha caixa de e-mail e estava lá uma mensagem do DHL avisando que meu documento tinha saído de São Paulo, dois dias depois, eu estava correndo louca pela sala, batendo canela na mesinha de centro para pegar meu passaporte. 

Depois disso, vamos a compra das passagens! Demorei um pouco para fazer isso, pois não estava conseguindo vagas nos voos. Adendo: minha forma de viajar só me permite embarcar se tiver vagas nos voos, eu já sabia que sair do Brasil seria fácil, o problema seria chegar a Newark. Procurando pelos melhores dias para embarcar, acabei achando a ÚLTIMA SEMANA do mês, consequentemente a ÚLTIMA SEMANA das férias!

Fui lá, meti as caras, falei com uma amiga e ela ajudou-me com as compras das passagens, quando ela finalizou tudo ela disse-me: Olha, acho que deu certo. “Como assim deu certo?” “Deu certo, ué! Suas passagens foram compradas” “O QUE?, NÃO, PERA!” “Pera o quê, mulher! Você vai aos Estados Unidos” “NÃO, COMO ASSIM????” Ana Caroline abre e-mail e PAM! E-mail de confirmação das passagens, explicação da companhia aérea. “OH, CÉUS! E AGORA? O QUE VOU FAZER? NÃO QUERO IR MAIS!! E SE O AVIÃO CAIR?! AH, MEU PAI! EU NÃO QUERO IR MAIS!! MAE, EU VOU PROS ESTADOS UNIDOS!!!!!!! *gritos histéricos, gritos histéricos*




Até o próximo post :)

10 comentários:

  1. Ahhhh, como assim acabou o post? Quero saber sobre NY... concrete jungle where dreams are made of... ops, me empolguei....r
    Vou em Outubro e ainda não acredito. Acho que só quando chegar em Manhattan a ficha vai cair!
    Conta maisssss.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simone!
      Eu vou contar tudo em uma série de posts, se não iria ficar ENORME!! Não acredito que você vai em outubro, você vai AMAR aquele lugar, outra coisa: Minha ficha não caiu até agora :')

      Excluir
  2. To esperando a postagem do "embarque", " aventuras em Atlanta" e etc xD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sue!
      Se eu postar isso vai ser um post ENORME!
      HAHAHAHA

      Excluir
  3. Senti a MESMA coisa em relação ao local do visto. Tinha em mente um lugar totalmente diferente.
    Como estava com o Miguel no colo, furei todas as filas.
    A minha entrevista foi super tensa, com a mulherzinha me fazendo zilhões de perguntas. Quando eu já tinha perdido as esperanças e quase pedindo pra ela parar de perguntar e negar logo, ela disse "Parabéns, seu visto foi aprovado". Também saí tremendo e morrendo de raiva dela. rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você ainda tinha o Miguel e eu não tinha ninguém, Rê :(
      Tive que esperar tantas horas! Sério, que a mulher te deixou nervosa? O rapaz que me atendeu foi super gente boa e até engraçado, tanto que na hora que ele perguntou se eu recebia desconto na passagem, ele sorriu.

      Excluir
  4. Uhahahaha
    eu adoro os seus posts porque eu sinto toda a emoção descrita. Juro que, quando li: "notei que não tinha impresso a DS-160! Que é documento mais importante para a sua solicitação! E eu SIMPLESMENTE esqueci de imprimir! Me xinguei tanto na hora que quase bati a cabeça na parede 100 vezes", o que me veio na cabeça foi "Dobby mal" (e o Dobby prendendo a cabeça no forno! uahahahahahah
    Vc e ele são iguais: bons, porém precisando de uma dose de autoconfiança!

    E eu fiquei com a mesma cara que a Simone: tipo, cade o restante?!
    (Pode por todos os detalhes, pq me será útil!!! uahahaha)

    Espero que a gente possa ir lá juntas um dia! <3

    Um beijo,

    http://www.algumasobservacoes.com/
    http://teoriapraticaeaprendizado.blogspot.com.br/
    http://nossocdl.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também espero ir contigo um dia, vai ser lindo <3
      Imagina só como seria fantástico. E sim, acho que sou meio Dobby hahaha
      Obrigado pelo comentário, Fêzoca.
      Beijos

      Excluir
  5. Oi Ana!
    Vi sobre seu post pela Fê. Qdo eu li que era sobre NY eu não podia deixar de ler!! Essa cidade é minha segunda casa! Amo!

    Agora quero ler o próximo post para saber a continuação!!!

    Bjos

    http://thatsthewayilikeit.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Ahhhhhhh, adorei o post.
    Nossa, entrei em conflito aqui junto com você enquanto lia SHUAHSUA

    http://sushibaiano.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir